http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/93e048c28deae8015adbfe8c96fbefa9.jpg


Promoções

http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/0ebfed7b22d146d4cabdd13b7eb9dafc.jpg








Enoblogs - blogs unidos pelo vinho

Casa Scalecci: Sicília com um pé no Brasil

Em 1920, um empresário Siciliano chamado Rosario Assennato, adquiriu algumas terras chamadas "Feudo Scalecci" de uma princesa local junto com alguns de seus irmãos. Este pequeno feudo, que recebe influência dos ventos africanos que sopram na costa meridional da ilha, demonstrava uma aptidão natural para produzir vinhos de qualidade, que hoje são o produto da Casa Scalecci.

 

Embora a história da família com a Casa Scalecci se aproxime do primeiro centenário, a tradição vinícola desta família se estende há mais de 200 anos em outras terras da região, sendo que a arte vinícola local foi passada de pai para filho, sempre adquirindo contornos mais modernos, e privilegiando a quantidade sobre a qualidade. Um dos lemas da casa, aliás, é de "não vender aquilo que não serviríamos em nossa mesa".

 

A história da vinícola passa por uma curiosidade histórica: durante a Segunda Guerra, os franceses foram atrás das castas sicilianas em busca de boas opções para corte para os seus próprios vinhos, o que ajudou a manter a vinícola. O vinho era transportado por um canal até o porto de Marzamemi, e então eram transportados por veleiros até os mais diversos destinos, incluindo a própria França - além de abastecer outras frotas mediterrâneas.

 

A proximidade com o Brasil também possui na história da família um outro fato mais recente: o atual proprietário da vinícola, Saro Assennato, imigrou ao Brasil, e hoje importa pessoalmente os vinhos para o nosso país, o que acaba por favorecer a integração dos vinhos com nossa cultura; afinal, o produtor recebe a resposta do mercado, e pode entender quais opções são melhores recebidas pelo consumidor brasileiro.

 

Em jantar harmonizado, cujas opções de pratos foram desenvolvidas pelo chef siciliano Leonardo Bonfanti, do restaurante Cortile Siciliano, de Jundiaí, o potencial gastronômico dos vinhos foi colocado à prova com alguns pratos de inspiração da região de origem, demonstrando que um bom vinho sempre fica melhor acompanhado de boa comida - e boas amizades!

 

Notas de Degustação

 

Sauvignon Blanc

 

Um varietal diferente dessa uva, de coloração amarelo dourado, e com uma intensidade aromática que passa por frutas de caroço maduras, abacaxi grelhado, vegetais como aspargos brancos, camomila, grama cortada, lembra um vinho mais maduro. Em boca, os aromas se refletem em sabores intensos e bastante incomuns para a maioria dos Sauvignon Blanc à disposição no mercado. Embora a acidez deixe um pouco a desejar, o vinho é bastante atraente pela sua diversidade aromática e caráter único, sendo bastante desejável até mesmo como um aperitivo. A sugestão de harmonização foi camarão branco, melancia e salmoriglio, um prato suculento com uma nota adocicada da fruta, que acompanhou bem o vinho.

 

Cierzo

 

Um corte de Sauvignon Blanc com Chardonnay, sendo que esta segunda uva trouxe complexidade e refrescância à combinação, num resultado bem equilibrado de frutas maduras com ervas frescas (manjericão, tomilho-limão). Com a acidez, o potencial gastronômico também ficou mais ressaltado, o que levou a combinação com caponata, laranja e ricota de búfalo a um patamar muito agradável.

 

Chardonnay

 

A rainha das brancas normalmente se mostra extremamente fresca no paladar, e mais suave nos aromas, quando plantada na Sicília; aqui, o que se encontra é um vinho mais sério, com aroma ainda floral (jasmim) e frutado (pêssego), mas já ligeiramente evoluído, com uma nota de banana. A coloração dourada límpida o torna atraente em taça, e no paladar a acidez o torna refrescante e também gastronômico - o que se poderia concluir, após provar os brancos anteriores, um dos quais apresenta a mesma Chardonnay. Servido com cozze alla marinara (mariscos), uma harmonização clássica que se mostrou muito correta.

 

Rocio

 

O corte da autóctone Grillo com o Sauvignon Blanc se mostra uma ótima escolha. Coloração amarela clara, com um ligeiro reflexo esverdeado, tem aromas florais que remetem a jasmim, e notas herbáceas, com um fundo ligeiramente amendoado muito delicado. É um vinho fresco com elegância e equilíbrio. Acompanhou bem o polvo grelhado estufado de grão de bico do Chef.

 

Massasaro

 

O tinto apresentado pela Casa Scalecci é elaborado com Nero D'Avola e Cabernet Sauvignon, e foi bastante apreciado por todos. De coloração rubi escuro brilhante, mostrou aromas de frutas vermelhas (cerejas) com toque ligeiramente herbáceo (alecrim) e especiarias, muito agradável. Em boca, acidez gastronômica, taninos marcantes mas bem trabalhados, uma certa picância e mineralidade. Embora pareça ter alguma aptidão para combinar com carnes e assados, foi muito bem com a Pasta da Nonna, que levou um molho à baste de tomates e carnes muito bem temperado.

 

 

A Casa Scalecci faz bem em apostar no caráter único de seus vinhos, que possuem qualidade, elegância e muita personalidade, diferentes em tantos elementos. Uma ótima opção para quem gosta de versatilidade!

 

Saiba mais em http://www.casascalecci.com.





Sobre o vinho e gastronomia Anúncie Segurança e Privacidade Trabalhe na V&G Comunicar Erros Redes Sociais Fale Conosco