http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/93e048c28deae8015adbfe8c96fbefa9.jpg


Promoções

http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/0ebfed7b22d146d4cabdd13b7eb9dafc.jpg








Enoblogs - blogs unidos pelo vinho

Chile também tem azeite

Por Guto Martinez

 

Quando escolhemos um azeite no mercado, é normal ver rótulos espanhóis, italianos, portugueses e gregos, mas recentemente um novo país começou a oferecer um produto de qualidade: o Chile.

 

 

Já estamos acostumados com o vinho, salmão e mesmo fritas chilenas, então não chega a ser uma surpresa que as condições climáticas mediterrâneas chilenas permitam uma produção de escala na América do Sul. A surpresa é a elevada qualidade do azeite que se obtém.

 

 

Esta qualidade é alcançada pelas condições ideais que o clima e a região oferecem.  Entre tais condições, podemos destacar o que se chama de bloqueio fitossanitário: com um  deserto seco e quente ao norte e um deserto frio ao sul, além da costa do Pacífico de um lado e os Andes ao outro, o Chile pode se gabar de ter uma proteção natural contra pragas.

 

 

A colheita e a produção ocorrem no mesmo lugar, chamados "almazaras" (os lagares), sendo que as azeitonas são processadas em até 12 horas da colheita, gatantindo a acidez necessária para classificar grande parte da produção como extra virgem (igual ou inferior a 0,8° de acidez).

 

 

A escala comercial da produção começou em 2006, e cresceu dez vezes até 2012, mas após alguns anos de estabilização a produção deve voltar a crescer. Entre as principais variedades produzidas estão a Arbequina, Arbosana, Koroneiki, Frantoio, Leccino, Coratina e Picual.

 

 

Atualmente, o principal mercado do azeite chileno são os EUA, com 50%, que é seguido pelo Brasil com quase 30% dos embarques, mas com uma diferença: o azeite vendido no Brasil vem com a origem no rótulo, mas nos EUA o produto chega a granel e pode ser misturado a outros.

 

 

 O azeite chileno passou a ser representativo não pelo volume, uma vez que o país produz apenas 0,7% do total mundial, mas pela qualidade alcançada, obtendo medalhas de ouro e prata em concursos realizados em diversos países.

 

 

Entre os desafios atuais, estão a produção limpa, com economia dos recursos naturais, e a promoção da marca do azeite chileno nos seus principais mercados. O principal já foi garantido: um azeite marcante, ideal para a elaboração ou finalização de pratos refinados. 





Sobre o vinho e gastronomia Anúncie Segurança e Privacidade Trabalhe na V&G Comunicar Erros Redes Sociais Fale Conosco